PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Mães podem “camuflar” cicatrizes de parto na Maternidade Dalila Ferreira Barbosa

Foto: Rodrigo Sitta/PMA

PUBLICIDADE

Tratamento gratuito prevê ainda procedimento de rejuvenescimento facial

O ITDM (Instituto de Tecnologia e Desenvolvimento da Medicina) iniciou o Projeto Sem Cicatrizes, nesta quarta-feira (2), na Maternidade Dalila Ferreira Barbosa, no Jardim Renata, em Arujá. A proposta é oferecer tratamento estético para melhorar a autoestima das mulheres que adquiriram cicatrizes durante partos cesárea ou normal.

Além de “camuflar” as cicatrizes, as participantes também terão acesso a sessão de rejuvenescimento facial, por intermédio de plasma coletado no sangue delas – um tratamento de última geração. Todos os procedimentos são oferecidos gratuitamente.

De acordo com o presidente do ITDM, Uilson Araújo, o serviço é oferecido para as mulheres que tiveram seus partos na Maternidade Dalila Ferreira Barbosa. A proposta é que as interessadas façam o tratamento com, pelo menos, seis meses após os partos, justamente para que a pele esteja recuperada.

Sala do Projeto Sem Cicatrizes (Foto: Imprensa/CMA)

Autoestima feminina

A auxiliar de almoxarifado Daiane Mendes, 30 anos, é moradora do Parque Rodrigo Barreto, em Arujá, e possui dois filhos (9 e 5 anos). Os partos normais ocorreram na Maternidade Dalila Ferreira Barbosa e ela ficou com cicatrizes. Incomodada com as marcas, chegou a pesquisar procedimento estético, mas ficou assustada com os valores. “O mais baratinho que achei era R$ 250 por sessão”, comentou.

Daiane foi selecionada para ser a primeira participante do Projeto Sem Cicatrizes. Após mais de cinco anos do último parto, ela celebrou a oportunidade de fazer o procedimento estético. “É uma forma de respeito e valorização da autoestima das mulheres”, explicou.  

Como vai funcionar

A idealizadora do projeto é a dermatoterapeuta Liliane Almeida, que também é gestora de qualidade do ITDM. Ela disse que a proposta surgiu após análise de queixas das mulheres que pariram na maternidade. “A mulher precisa olhar no espelho e se sentir bem”, afirmou.

As cicatrizes devem sumir em até 90% de seu tamanho. Em alguns casos, podem desaparecer completamente. A estimativa é que as participantes tenham de fazer de três a quatro sessões, de até 40 minutos.

Para impedir que ocorra dor no procedimento, as mulheres utilizam um aparelho de sedação com gases medicinais. “Com 30 segundos não tem dor e a paciente responde, sente estímulos táteis, não perde o nível da consciência e pode ir para a casa logo em seguida”, informou Liliane.

Ao final das sessões, uma amostra de sangue da paciente será coletada para ser inserida em um aparelho que irá gerar o PRF (Plasma Rico em Fibrina).

“É um plasma com capacidade de estimular o colágeno em 85%. Aplicamos no rosto para o rejuvenescimento facial. É mais uma forma de ajudar essa mulher a se sentir bem”, exemplificou.

Sessões de tratamento estético duram até 40 minutos (Foto: Rodrigo Sitta/PMA)

Tratamento masculino

Não são apenas as mulheres que serão beneficiadas com o Projeto Sem Cicatrizes. A Maternidade oferece também aos companheiros das participantes a opção de pontilhismo em calvície. É uma técnica para “disfarçar” os carecas. Não há nenhum custo no tratamento.

Como participar

As interessadas precisam se inscrever pelo e-mail projetocicatriz@itdmaruja.com.br, informando o nome completo, telefone de contato, data do parto, se tem alguma doença, se é alérgica e a qual substância, se está em tratamento de saúde, se faz uso de algum medicamento, se fez alguma cirurgia nos últimos seis meses e se desenvolveu queloide na cicatriz. Depois, é só aguardar a resposta do ITDM com a data de agendamento da sessão e outras orientações. 

PUBLICIDADE

Tópicos
Compartilhe
Veja também
SIGA O ARUJÁ REPÓRTER

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE