PUBLICIDADE

Prefeitura revisa Plano Municipal de Prevenção e Combate à Violência Sexual Crianças e Adolescentes

Foto: Divulgação/PMA
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on linkedin
Share on pinterest

Objetivo de minimizar o sofrimento das vítimas e criar uma rede completa de proteção e amparo

A Prefeitura de Arujá, após analisar os indicadores de crimes registrados em anos anteriores na cidade, contra crianças e adolescentes, está revisando o Plano Municipal de Prevenção e Combate à Violência Sexual entre Crianças e Adolescentes, com o objetivo de minimizar o sofrimento das vítimas e criar uma rede completa de proteção e amparo, para que elas sejam devidamente acolhidas. A ação faz parte das iniciativas desenvolvidas dentro do “Agosto Lilás”, mês de Conscientização pelo Fim da Violência contra a Mulher.

O prefeito Luís Camargo (PSD) participou na última quinta-feira (5) de uma reunião com a secretária municipal de Assistência Social, Marina Bernardo da Costa Antônio, o secretário municipal de Segurança Pública, Washington Luís Beolchi Adami, o secretário-adjunto da Saúde Danilo da Silva Santos, a diretora de Planejamento Eduarda Marsili e a presidente do Conselho Municipal da Criança e do Adolescente (CMDCA) Maria Estela Romero de Brito.

O chefe do Executivo solicitou a reformulação da Portaria do Comitê de Gestão Continuada da Rede de Cuidados e de Proteção Social de Crianças e Adolescentes Vítimas ou Testemunhas de Violência, para que sejam incluídos no grupo os representantes das Secretarias de Governo e de Segurança, visto que hoje estão inclusas as pastas de Saúde, Educação e Assistência Social.

Após a nova formatação do comitê, será feita a revisão do plano, que visa estabelecer protocolos e fluxos de atendimento às crianças e adolescentes, vítimas de violência, especificamente a sexual, para que não haja a chamada “revitimização”.

Isso porque hoje, o menor ou jovem que sofre esse tipo de crime, precisa passar por atendimento com representantes de diversas áreas, tendo, muitas vezes, que repetir a história e, consequentemente, reviver na memória o episódio traumático.

“Com o estabelecimento de novos protocolos, a vítima passará por atendimento com um só representante. Também será feita a inserção de novas ações e a ampliação do escopo desse comitê, que já existe, com a capacitação de mais profissionais, inclusive da GCM, professores e demais setores, para que a pessoa que sofreu a violência tenha o devido acolhimento e os indicadores da violência possam ser diminuídos”, detalhou o prefeito.

Tópicos
Compartilhe
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on linkedin
Share on pinterest
Comentários
Veja também
SIGA O ARUJÁ REPÓRTER

PUBLICIDADE