PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Idosos com comorbidades devem evitar Metrô e ônibus lotados, aponta David Uip

Governo do Estado de São Paulo

PUBLICIDADE

Estado de SP quer 1,4 mil novos leitos de UTI para combater coronavírus.

O coordenador do Centro de Contingência do Coronavírus no Estado de São Paulo, o infectologista David Uip, considera que pessoas a partir dos 60 anos, com comorbidades (hipertensão, diabetes, doenças cardiovasculares, neoplasias),  devem evitar aglomerações, o que inclui utilizar Metrô ou ônibus lotados. A afirmação foi feita, nesta terça-feira, 12, em coletiva de imprensa, no Palácio dos Bandeirantes, em São Paulo.

De acordo com o especialista, as pessoas não podem perder o direito de ir e vir, mas devem tomar cuidados especiais. “Tente ficar longe de uma pessoa que está tossindo. Lave as mãos. É uma questão de bom senso”, explicou. No momento, há 46 casos confirmados de coronavírus no Estado, sendo 44 na capital paulista, um em Ferraz de Vasconcelos e um em Santana do Parnaíba.

Doença deve se expandir

O governador João Doria anunciou novas medidas de combate ao vírus. O Estado de São Paulo estima que precisará de 1,4 mil novos leitos de unidade de terapia intensiva (UTI) nos próximos quatro meses por conta da doença. Amanhã, o governo pedirá a autorização de mil ao Ministério da Saúde, sendo que serão 600 na cidade de São Paulo e 400 em hospitais estaduais. A gestão ainda busca novos leitos com os demais municípios e parcerias com hospitais privados e beneficentes.

Sem fechamento

O Centro de Contingência do Coronavírus descarta suspender aulas e eventos esportivos ou culturais em São Paulo. Por outro lado, considera que essa decisão pode ser tomada com a evolução dos casos. “Não é razoável paralisar um estado com quase 46 milhões de pessoas. Uma medida como essa tem que ser adotada com fundamento claro e na hora correta”, afirmou Doria. 

PUBLICIDADE

Tópicos
Compartilhe
Veja também
SIGA O ARUJÁ REPÓRTER

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE